A extrema-imprensa está torcendo pelo coronavírus
24/03/2020 16:23 em Política

Certa imprensa decidiu abrir sua artilharia pesada contra o governo Bolsonaro, torcendo descaradamente pelo pior, já que isso  — na visão desta gente  — significaria a queda do presidente da República. Não há nenhum escrúpulo na forma como atuam para minar a governabilidade do país.

 

Falo, caro leitor, sobre a pergunta “infame” feita por uma jornalista durante coletiva de imprensa no Palácio do Planalto. Daquelas que causam repulsa, indignação e constrangimento. É constrangedor porque gente deste nível não deveria estar exercendo essa profissão, tão importante neste momento em que estamos vivendo.

 

O que acha, estou exagerando? É mais uma clara evidência de que transformaram a informação em guerra ideológica. Aquele estilo de politicagem da mais baixa. A crise está instaurada, as previsões não são boas, mas a jornalista  — se é que podemos chamá-la assim  — quer saber o que o presidente Jair Bolsonaro acha da pesquisa Datafolha que aponta sua popularidade baixa, supostamente.

 

Primeiro que as pesquisas deste instituto não tem nenhuma credibilidade. Basta caminhar entre o povo e conversar com algumas pessoas, ninguém acredita nestas pesquisas manipuladas. Não estou dizendo que Bolsonaro tem a maior das popularidade, o que não vem ao caso. O que estou dizendo é que esse é o tipo de pergunta feita para desmoralizar.

 

Essa parcela podre da extrema imprensa vive para difamar, construir narrativas depreciativas e promover suas próprias bandeiras. Está totalmente empenhada em destruir reputações, torcendo até mesmo pelo pior, já que assim poderá mirar sua artilharia contra o governo Bolsonaro. É de um desrespeito sem limites.

 

Não é por acaso que boa parcela da sociedade brasileira sente tamanho ódio contra a grande mídia. Agem como se fossem o “quarto poder” em nossa República. Trabalham arduamente para ver seus interesses enaltecidos. Atuam como militantes, sem nenhuma imparcialidade. Eles têm lado e com certeza não é o mesmo do povo.

COMENTÁRIOS